A primeira e mais importante técnica, conhecida como azimute, é determinação da direção a seguir.

O ângulo formado pelo norte magnético, indicado pela agulha imantada de bússolas, e uma direção é chamado de azimute. Mas na orientação não é necessário medir os graus para o destino desejado.

Com o mapa na horizontal e a bússola sobre ele, gira-se o mapa até que as linhas do norte magnético do mapa (na cor azul) e a agulha imantada estejam paralelas. Após isso, a reta formada pelo ponto de origem e o de destino indica a direção a seguir.

Deve-se tomar cuidado para que as linhas do norte do mapa e a agulha imantada estejam paralelas e no mesmo sentido, evitando o contra-azimute.

É comum, iniciantes no esporte, tentar "orientar o mapa" girando a bússola e sua agulha teimosamente continuar indicando o norte magnético.

Para apanhar algo que encontra-se sobre uma mesa, distante da mão, caminha-se ao seu redor e não gira-se o móvel. Da mesma forma deve-se agir com o mapa, ele deve estar constantemente orientado, independente das curvas e dos giros executados pelo orientista em deslocamento.

Cabe salientar que ao desviar um obstáculo durante a progressão de um ponto a outro, tem-se uma nova direção para o objetivo que se quer alcançar.